20.3.09

E N G A N O




O ruído dos motores tornara-se ensurdecedor. Depois, de súbito, tudo ficou em silêncio.

Foi à janela e olhou.

Lá em baixo os carros tinham parado, exactamente em frente à mansão. Abriram-se portas e as fardas começaram a sair, algumas de bota alta, olhando para cima.

Recuou um pouco para não ser visto lá de fora. Encostou o cano da Stein ao canto da janela e, aguentando com firmeza na anca, atirou a primeira rajada num movimento sabiamente circular. E continuou.

Enganara-se. Pela primeira vez.

Vinham apenas dizer-lhe que fora eleito Presidente.




****

Nota: Texto retirado do Livro de Contos do Gin Tónico.

****

3 comentários:

Maria Letra disse...

Cá estou eu, amiga, pronta para comentar os teus textos e feliz por ver que, independentemente de seres solicitada para participar noutros blogs, não deixas de continuar a dar vida ao teu, do qual gosto tanto.
Beijinhos.
Maria Letra

Ana Martins disse...

Olá querida amiga Mara,
os enganos por vezes podem mesmo ser fatais, e a prova disto está neste texto, que tratando-se apenas de uma história, bem podia ser verdadeira como tantas outras histórias reais que ouvimos, e que nem queremos acreditar!

Mara está tudo bem consigo e com os seus?
Esteve ausente uns dias, e por vezes isso deixa-nos preocupados e apreensivos.

Beijinhos,
Ana Martins

Mara disse...

Que surpresa e que alegria.

Acreditem que não contava com a vossa querida visita ao meu blog que deixei tão abandonado.

Um beijinho com muito carinho para a Maria Letra e Ana Mantins, duas mulheres de fibra.

Milai/Mara