9.12.08

COMIDA DE PLÁSTICO NAS ESCOLAS

É uma triste realidade dos nossos dias. Porque não dizer epidemia! Mais nos centros metropolitanos, onde os jovens frequentam as escolas, as refeições servidas a quem está em pleno desenvolvimento corporal e mental, são sempre iguais. A cor verde, representativa dos vegetais, não se vê nos tabuleiros das crianças. A fruta também escasseia. Predomina o amarelo dos "douradinhos" (fritos) e o amarelo das batatas, também fritas. As bebidas coloridas, feitas sabe-se lá como, demasiado doces e que muito contribuem para os excesso de açúcar no sangue. Pobre aparelho digestivo que deve estar saturado de tantos alimentos impróprios para o são funcionamento que a maravilhosa máquina humana precisa e merece.

Há dias atrás, num canal inglês, tive a oportunidade de constatar que, alguém muito especial, tomou uma iniciativa de louvar, e que se traduzia em melhorar a triste situação que atrás refiro. Trata-se de um mestre de cozinha, ainda jovem mas de grande qualidade na confecção da alimentação saudável. Fiquei feliz e pensei: "finalmente alguém se levanta, dá um murro na mesa, e tenta salvar as crianças viciadas na comida de plástico.

Arregaçou as mangas e, mãos à obra. Primeiro uma bela sopa de legumes, com sabor divinal, a seguir um empadão que escondia tudo aquilo que as crianças não gostam, porque também nas suas casas não foram nem são habituados a comer uma comida variada. Até os próprios pais, por causa do stress e das corridas diárias para o trabalho e do trabalho para casa, não têm tempo da confeccionar aquelas belas comidinhas do tempo dos nossos avós. Belos tempos esses...

Mas, voltemos às cantinas. É hora de almoço. As crianças são muitas e o barulho é ensurdecedor. O nosso chefe, cheio de esperança vai perguntando: então, jovem, o que queres para almoçar?

- Douradinhos e batatas fritas.
- Não queres começar com uma sopinha especial, muito gostosa que fiz para ti?
- Não, douradinhos e batatas fritas.
- E o empadão tostadinho, desse deves gostar!!! Só de o olhar ficas com água na boca.
- Não, douradinhos e batatas fritas.

O chefe, caíu-lhe o coração ao chão, triste, desiludido, porque tanto se tinha empenhado em implementar a viragem dos maus hábitos alimentares das nossas crianças, para uma alimentação saudável e racional de que tanto se fala e muito pouco se faz.
Prometeu, porém, que não ia desistir. Era uma batalha que se tinha proposto vencer. Palmas para pessoas assim. Palmas para quem se preocupa com os outros e não olha só para o seu umbigo.

Não percamos a esperança porque esta é a última a morrer.

4 comentários:

Kia MeL disse...

Amei o teu blog!!!!
O post ficou mto boum!!
bjundas

Mara disse...

Olá Kia,

Vem mais vezes. Ok? Diz-me coisas lindas

Beijinhos

Ricardo Adolfo Borjas Celis disse...

Un saludo Mara de Ricardo desde Lima- Perú. Asie es como dice en tu blog, los niños de ahora prefieren comer comida "chatarra" que comerse una fruta; eso es en parte culpa de los padres que habeces por cumplir un capricho o por dejar que sus hijos no los molesten les compran esas golosinas y snaks que lo unico que hacen es malograrles el organismo.

Mara disse...

Te saludo también Ricardo.

Comida "chatarra" és veramente muy triste. Tienes razón en decir que los padres son los principales culpados de toda esta situación que esta haciendo tanto mal a nuestros niños y futuros hombres de los paises.
El tuyo es un pais que muito admiro por su grand beleza natural.
Buenas fiestas natalícias para ti y tu Familia