26.11.11

O MAR QUE ME REFRESCA














As águas verdes
tranquilas ou ondulantes
que os meus olhos enxergam
e admiram sem descanso,
pertencem ao meu mar
porque nele me molho se quero
ou só o olho e não me molho.

As areias lisas
ou já calcadas,
pertencem ao mar verde
que as alisa quando quer.
Porque uma areia lisa
lembra uma seda
muito brilhante
muito ondulante
se uma brisa houver.

Estendo-me nessa areia de seda,
sinto o calor que me aconchega.
Cobre-me o azul do céu
que me encanta, me enleva
e acalma os meus turbilhões.
Medito, relembro o que já passou
mas...esqueço. Lembrar para quê?

Adelaide

**

7 comentários:

maria teresa disse...

Tenho andado muito afastada da blogosfera, passei pelo seu Crepúsculo (post anterior) e fez-me bem...recordei situações "paralelas".
Voltei e mais tranquila fiquei ao ouvi-la falar sobre o mar, o seu mar, o meu mar, um mar que amo e que me atraí...o modo como o "sentimos".
Abracinho querida!

Adelaide disse...

Ambas gostamos do mar. Olhá-lo até ao infinito faz-me pensar: "como é bela a linha recta lá ao fundo!" A cor, o cheiro conhecido como maresia, os tons azulados do céu que nele se reflectem! Como é belo o mar!!!
Querida Maria Teresa receba o meu abraço com muito carinho

Espaço do João disse...

Grato pela visita e também pela lembrança de 11/11/11. Foi uma coincidência.
Passaremos em visita. Um abraço deste lado do Oceano.

Ana Martins disse...

Milai, boa noite!
Nem sempre as recordações trazem nostalgia, às vezes, recordamos momentos com a mesma doçura com que os vivemos!

Também amo o mar, junto dele, sou mais serena e tranquila!

Bonito poema!

Beijinho,
Ana Martins
Beijinho,
Ana Martins

Adelaide disse...

Obrigada João por vir até este lado do oceano. Venha sempre que lhe apetecer.
Será um Prazer.


Adelaide

Adelaide disse...

Querida Ana,

O meu oceano ficou contente com sua visita.

Obrigada

Milai

Maria Letra disse...

Enquanto falávamos pelo telefone, passei por aqui e li este lindo poema. Mais um ... Sabes para quê, não sabes?
Beijinhos.